sábado, 29 de dezembro de 2012

Manejo de Ferais e Ariscos - Contenção para Anestesia

Gatos ferais e ariscos precisam de manejo diferenciado para contenção ao serem anestesiados. 

Estamos falando aqui de animais que podem, literalmente, morrer de stress. Quanto menor e mais rápida a intervenção, melhor. 

expressão corporal tipica de gato feral, orelhas para trás, pêlos arrepiados e rosnado  - gatos ferais não miam

Em outros países já existem clinicas especializadas e somente para grupos e gatos de C.E.D.

Há a utilização de caixas anestésicas  onde o animal é colocado, o gás anestésico é enviado através de um tubo e quando o gato está sedado, é retirado e encaminhado para os cuidados pré-cirúrgicos.

feral em caixa anestesica, já sedado :) 

Nestas clinicas há gaiolas de contenção  que imobilizam o animal, deixando-o na posição correta para que o veterinário se aproxime com segurança para aplicação da anestesia e assim que o gato dorme, é retirado para fazer a preparação pré-cirúrgica. 

um dos modelos de gaiola de contenção disponiveis no mercado ( foto retirada do blog  O TIME DO TIGOR )

Toda a equipe é treinada para lidar com esses animais e pesquisando sobre contenção dos mesmos, pode-se notar o silêncio e calma das operações, que resultam em menor stress para o animal e maior sucesso para contenção e anestesia. 

Os grupos e clinicas que não se utilizam de caixa anestésica ou de contenção, transferem o animal diretamente para sacos de pano, seguros, onde eles são contidos no escuro e facilmente anestesiados, como mostra o vídeo abaixo:



Tanto a gaiola de contenção quanto o saco de contenção remetem à teoria de técnica de compressão da Temple Grandin, onde animais mantidos em espaços menores e suavemente comprimidos liberam hormonios que os acalmam em situações de stress, tornando o manejo menos agressivo. 

Mesmo com essas ferramentas, o tempo é fundamental. Animais stressados demoram mais para sentir o efeito da anestesia e se recuperam mais lentamente da mesma. Ataques cardíacos também podem ocorrer. 

Infelizmente ainda não fomos capazes de comprar esse equipamento, mas está em nossas pretensões, talvez para 2013 :) 

Algumas vezes consegui fazer uma adaptação de gaiola de contenção  colocando os gatos em módulos na clinica veterinária e empurrando-os com placa de divisão pelo lado contrario, mas esse manejo demorava muito, resultando em agitação desnecessária para o animal. 


O nosso protocolo de contenção e anestesia é o cambão ( laço emborrachado ) no peito do gato. 



Coloca-se o gato em um modulo gradeado com pouco espaço, o laço é passado pela cabeça e patas dianteiras. Com o animal laçado, o colocamos contra a grade para que o veterinário aplique o anestésico  sem riscos. É necessário força no braço de apoio e atenção, pois caso o laço afrouxe, o gato não irá hesitar em atacar para fugir da aproximação humana. 

Por pior que sejam os rosnados e urros, uma vez enlaçado, o gato NÃO PODE ser liberado até que a anestesia seja aplicada, para evitar um segundo manejo e mais stress ao animal. 





NUNCA deve-se colocar cambão ou qualquer outro tipo de laço no pescoço de qualquer gato, sob o risco de enforcar, asfixiar e até mesmo quebrar o pescoço do animal. 



No caso de gatos ariscos ou assustados, tentamos evitar o uso do cambão. 
Utilizamos então luvas de proteção que nos foram doadas, para o manejo dos mesmos. 

luvas de proteção que vão até o cotovelo :)

Os gatinhos são retirados da caixa até a metade, expondo as patas traseiras e quadril. Utilizamos a pele extra no pescoço ( o mesmo ponto onde eles são carregados pelas mães ) e os imobilizamos, sem causar dor. Depois da aplicação, os colocamos de volta nas caixas, para que se sintam seguros e os retiramos quando adormecem. 

gatinho imobilizado :) 

Sim, os ferais são animais complicados, mas devemos sempre nos lembrar que as atividades de C.E.D devem priorizar a integridade física dos mesmos, nunca os colocando em riscos desnecessários. 

É necessário muita empatia pelo animal que será anestesiado e posteriormente castrado, que já se encontra em situação de stress. 

Aqui no Felinos Urbanos consideramos cada um dos gatinhos beneficiados como nosso enquanto estão sob nossos cuidados e exigimos de nós mesmos o mesmo grau de cuidados que ofereceríamos para nossos animais.

Um manejo humanizado e o mais gentil possível é o minimo que podemos oferecer :) 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.