sábado, 14 de abril de 2012

Doenças Felinas 2 - Leucemia Felina

Texto de autoria da Confraria de Miados e Latidos ( SP )

"A Leucemia Felina ( FELV ), ao contrário da humana, não é um cancêr. A leucemia felina é causada por um vírus, que pode provocar um grande variedade de desordens degenerativas – entre eles, sarcoma, linfoma e doenças hematopoéticas –, mas também pode ser assintomático. De qualquer forma, o importante é saber como a doença é transmitida, os sintomas e cuidados necessários.

Diferente da FIV, em que o animal pode ter um contato com outro gatinhos, a FELV exige que um gatinho portador do vírus seja filho único. Se você tem mais de um gatinho em casa e descobre que um deles é portador do vírus, é importante que ele seja isolado dos demais e tratado individualmente, independente dos outros serem negativos ou assintomáticos.

A contaminação do vírus da FELV acontece quando um gatinho contaminado tem contato com um gato sadio, por meio de compartilhamento de vasilhas sanitárias e os mesmos potinhos de água e comida. Mordidas, espirros e cuidados com a higiene entre eles – o famoso banho de gato, também podem transmitir FELV.

em apenas um "passeio" nas ruas o seu gato pode se tornar portador da doença

A maior concentração do vírus está na saliva, em secreções nasais, no sangue ou na urina – as fezes também têm, mas em menor quantidade.

Os gatinhos portadores de FELV PRECISAM ser castrados, pois fêmeas grávidas podem passar o vírus para seus filhotes, diretamente pela placenta ou na amamentação.

castrando sua gatinha antes do primeiro cio, você evita uma ninhada indesejada e que ela e os filhotes contraiam FELV

Os gatinhos, nesse caso, já nascem infectados pelo vírus e infelizmente podem vir a óbito, mas isso não quer dizer que todos os casos serão, obrigatoriamente iguais. Existem gatinhos que nascem de mães portadoras do vírus e não desenvolvem problemas. Também existem casos de gatinhos que eliminam o vírus.

Para saber se seu gatinho é portador do vírus da FELV, busque ajuda veterinária. O diagnóstico é feito por meio de um exame de sangue, denominado teste ELISA, que detecta o vírus no sangue, bastante eficiente, que dificilmente apresenta um resultado falso-positivo ou negativo quando o animal está efetivamente contaminado.

A FELV age no organismo dos gatinhos variando com a imunidade deles. Ou seja, cada animal reage de maneira diferente, segundo sua própria condição. Alguns gatinhos apresentam sérias complicações, outros, entretanto são portadores, mas não chegam a apresentar sintomas, vivem bem durante anos, mas podem transmitir o vírus a outro que tenha menor resistência.

Os sintomas podem variar de acordo com o local de ação do vírus. Pode atingir vários tecidos ou levar a reações não específicas, como apatia, anorexia, anemia, febre, gengivite/estomatite, uveíte [inflamação intra-ocular], diarréia, entre outros.

Uma das características mais específicas da Felv em relação a outros vírus é que muitos gatos podem se recuperar e eliminar o vírus sozinho. Nestes casos, a infecção induz uma poderosa resposta imunológica do organismo, que pode extinguir a infecção. Se isso acontecer antes da medula óssea ser infectada, há grandes chances de que a infecção seja eliminada e o gato deixe de ser portador da doença.

Cuidar de um gatinho FELV positivo não é diferente dos cuidados com um gatinho saudável. O animal precisa receber alimento de boa qualidade e evitar carne crua, ovos e leite não pasteurizado, em virtude do maior risco de infecções bacterianas e parasitárias. Além disso, é importante verificar se os gatos assintomáticos estão com as vacinas em dia e, caso contrário, vaciná-los com quádrupla felina e antirrábica.

O tratamento médico de um gatinho com FELV está relacionado aos sintomas que ele apresenta ou doenças secundárias.

Dependendo do caso, é necessário o tratamento com drogas antivirais, assim como nos seres humanos. Devido à resposta a estas drogas, entretanto, esta prática é pouco usada na medicina felina, pois muitos gatos apresentam vômitos e às vezes diarreia associado ao uso do medicamento, interferindo assim na resposta ao tratamento clinico.

Esta doença NÃO é transmitida para outras espécies animais!
É uma infecção exclusiva dos gatos.

Se você tem um gatinho com FELV, visite o veterinário periodicamente!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.